CONTEÚDO
Notícias
 
20.Fev - Anchieta, proclamado "santo" pela Igreja?
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Anchieta, proclamado

A canonização do bem-aventurado José de Anchieta parece estar muito próxima. Além do renovado interesse demonstrado pela Conferência Episcopal do Brasil e por várias dioceses, mais relacionadas com a vida e a obra missionária do Padre Anchieta, agora o próprio papa Francisco está pessoalmente interessado nesta causa.


Em breve, poderemos ter a alegria de ver, finalmente, proclamado “santo” aquele que, já no seu funeral, no final do século 16, foi aclamado por índios e portugueses como “apóstolo do Brasil”. Mas por quais motivos Anchieta deveria ser proclamado “santo” pela Igreja?


Convém recordar quem são os santos na Igreja: são as pessoas que vivem a comunhão e a sintonia com Deus e recebem do Espírito Santo a graça da santidade; Deus é O SANTO, por excelência, que comunica a santidade a quem se aproxima dele. A santidade não é apenas fruto do esforço humano, embora requeira esse mesmo esforço para corresponder com Deus e viver em sintonia com Ele. O santo é uma pessoa de Deus e testemunha da Sua santidade; testemunha também de Jesus Cristo e do seu Evangelho.


Na Igreja, são os cristãos que correspondem de maneira profunda com a graça santificadora recebida de Deus no Batismo, através da fé, são santos; são aqueles que vivem a “vida nova”, segundo o Evangelho de Cristo, seguindo sua palavra e seu exemplo. Como a graça de Deus é multiforme e também conta com as qualidades humanas, assim a santidade se expressa de muitas maneiras; há os santos da caridade, da missão, do ensinamento, do testemunho excelso das virtudes humanas e cristãs, do serviço à Igreja, da contemplação, da mística, do martírio… Deus é admirável nos seus santos!


Por muitos motivos, Anchieta pode ser considerado “santo” pela Igreja. Foi um missionário generoso e extraordinário, dedicando sua vida ao serviço dos irmãos indígenas, para lhes levar a alegria e as riquezas do Evangelho de Cristo. Uma vida inteira dedicada à missão só é possível mediante uma profunda comunhão com Deus e com a Igreja. Foi catequista e formador de cristãos, discípulos de Cristo. Sofreu por Cristo e pelo Evangelho…


Anchieta é também um dos iniciadores da vida da Igreja no Brasil. Em São Paulo, isto é muito claro. Por isso, tem todo sentido dar-lhe o título de “apóstolo do Brasil”. Ele continua sendo um exemplo e estímulo para a vida da Igreja; somos continuadores da obra missionária de Anchieta e dos outros missionários, que entregaram a vida pelo Evangelho nesta “Terra de Santa Cruz”. Anchieta foi místico e homem de oração e contemplação, testemunha de Deus no seu modo de ser e agir.


Ainda mais: Anchieta viveu a caridade e outras virtudes de maneira extraordinária. Dedicava imenso amor aos doentes, respeito profundo aos indígenas e sua cultura, desejando ajudá-los a crescer nas suas condições humanas e espirituais. Foi um promotor da paz, que não hesitou em entregar-se como refém durante a confederação dos Tamoios, mesmo com riscos para a sua vida, querendo dar mostras de sinceridade nos propósitos e no trato com as partes em luta, enquanto seus confrades negociavam a paz.


E os milagres? Deus pode conceder a graça especial do milagre através da intercessão dos santos. Mas os milagres não são o requisito principal para proclamar um santo e a Igreja pode mesmo dispensá-los na canonização. O essencial mesmo é a vida santa e que o santo tenha sido uma pessoa de Deus, uma testemunha fiel e vigorosa de Cristo e do Evangelho. Anchieta foi tudo isso.




Por Cardeal Odilo Pedro Scherer 


Fonte: Notícias Católicas

Indique a um amigo
 
NEWSLETTER: Informe o seu e-mail para receber as nossas novidades
Contato
  • ESCRITÓRIO

    Avenida Miguel João, 463, Anápolis/GO - Centro

  • (62) 3943-5555


  • Ou

    CEP: 75020-360

  • Dúvidas, críticas e sugestões
  • A sua opnião ajuda a construir um serviço de qualidade. Por isso, envie-nos suas sugestões, críticas e elogios ou dúvidas.

  •  

    Copyright © 2019 Comunidade Católica Nova Aliança. Todos os direitos reservados.