CONTEÚDO
Notícias
 
21.Fev - Bispo comenta atuação de Francisco na promoção da paz
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Bispo comenta atuação de Francisco na promoção da paz

“Francisco tem um carisma muito grande e transforma o Evangelho em prática da vida, isso nos desafia, nos chama a também realizarmos isso,” diz Dom Guilherme




“Associando com os pobres, pensei em Francisco de Assis. Em seguida, pensei nas guerras(…) E Francisco é o homem da paz. Assim surgiu o nome no meu coração: Francisco de Assis”. A explicação é do Papa Francisco sobre a escolha do seu nome, emdiscurso para os representantes dos Meios de Comunicação Social, no dia 16 de março de 2013.


O Papa quis deixar em evidência, no próprio nome, sua busca pela paz. Desde que assumiu o pontificado, em março do ano passado, Francisco já manifestou, de diversas maneiras, sua preocupação com os países em conflito e a paz entre os povos.


Até mesmo as redes sociais têm sido utilizadas pelo Papa. Por meio do Twitter, no dia 15 de fevereiro, Francisco postou a hashtag #prayforpeace (rezar pela paz): “Rezemos pela paz em África, especialmente na República Centro-Africana e no Sudão do Sul.”


Em encontro com o corpo diplomático no Vaticano, em janeiro deste ano, Francisco falou aos embaixadores de todo o mundo sobre a necessidade de paz, recordando as inúmeras situações de conflitos em 2013.


No primeiro Angelus de 2014, exortou os fiéis a buscarem a paz. “Que o Senhor nos ajude a nos encaminharmo mais decididamente pelos caminhos da justiça e da paz; que o Espírito Santo atue nos corações, desfaça a rigidez e as durezas e nos conceda a graça de nos enternecermos diante da fragilidade do Menino Jesus. A paz, de fato, exige a força da doçura, a força não violenta da verdade e do amor”.



Dom Guilherme Antônio Werlang, Bispo de Ipameri (GO) e membro da Comissão Justiça Caridade e Paz da CNBB / Foto: Arquivo



“Ele não está fazendo teatro, ele vive como Papa aquilo que vivia como Arcebispo, Cardeal em Buenos Aires, na Argentina. O que ele prega, ele vive e começa a exigir que se viva isso dentro da Igreja. Assim, ele ganha credibilidade diante do mundo. Essa é a grande contribuição que, hoje, ele está fazendo na construção da paz no mundo”, fala Dom Guilherme Werlang, bispo de Ipameri (GO) e membro da Comissão Caridade, Justiça e Paz da CNBB.


No dia 7 de setembro do ano passado, umavigília de oração pela paz na Síria e no mundo convocada pelo Papa, reuniu quase 100 mil pessoas no Vaticano. Na ocasião, Francisco disse que a violência e a guerra nunca são o caminho da paz. “Que acabe o barulho das armas, a guerra significa o fracasso da paz. Que soem, mais uma vez, as palavras do Papa Paulo VI: ‘Nunca mais uns contra os outros… nunca mais a guerra’”, pediu Francisco.


Outro forte apelo e reflexão está na mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2014, em que o Papa afirma que a Fraternidade é o fundamento e o caminho para alcança-lá. Dom Guilherme explica que a fraternidade leva as pessoas a verem o outro como irmão, e, por isso, é o caminho mais seguro para a paz. “Construir a fraternidade faz com que a paz possa acontecer, isso tanto do âmbito de família, quanto na cidade, no estado, no país, e mesmo nas relações internacionais”.


Na mensagem, o Papa afirma que, no coração do homem, há uma aspiração de fraternidade que impele à comunhão com os outros, em quem não se encontra inimigos ou concorrentes, mas irmãos que se deve acolher e abraçar. “Se quisermos alcançar a paz, temos de reconstruir as relações humanas”, complementa o bispo.


Dom Guilherme lembra a viagem de Francisco à ilha de Lampedusa, em julho do ano passado. Tocado por uma série de tragédias por causa de contínuos desembarques e naufrágios de migrantes na região, Francisco quis, em sua primeira visita em território italiano, ver de perto a situação. “O Papa tem um carisma muito grande e transforma o Evangelho em prática da vida, isso nos desafia, nos chama a também realizarmos isso. Se seguirmos o exemplo do Pontífice, com certeza poderemos não só ser vizinhos mas irmãos”.


Dom Guilherme orienta, para concluir, que nenhuma pessoa deve ficar alheia às violências, injustiças e mortes. “Eu não posso ficar insensível, eu tenho de tirar do peito um coração de pedra e colocar um coração de carne, em que habite o amor de Deus. Então, sim, estaremos construindo um mundo de justiça e paz, que é o grande apelo do Papa Francisco. O Papa sozinho não faz nada, cada um tem de fazer sua parte. Na soma de cada um de nós, o mundo será melhor.


Fonte: Canção Nova

Indique a um amigo
 
NEWSLETTER: Informe o seu e-mail para receber as nossas novidades
Contato
  • ESCRITÓRIO

    Avenida Miguel João, 463, Anápolis/GO - Centro

  • (62) 3943-5555


  • Ou

    CEP: 75020-360

  • Dúvidas, críticas e sugestões
  • A sua opnião ajuda a construir um serviço de qualidade. Por isso, envie-nos suas sugestões, críticas e elogios ou dúvidas.

  •  

    Copyright © 2019 Comunidade Católica Nova Aliança. Todos os direitos reservados.